Bem-vindos à nova dimensão... seqüenciador de sonhos online.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Jogos que jogamos…

Corria, como em muito tempo não pudera correr. E aquilo era bom. Sentia o vento à face e isso o ajudava a ignorar o quanto suava. Era novo, porque cada um daqueles momentos sempre o seria. O coração acelerado, pulsando pelas veias até o pulso, o punho… até a espada.

A terra sob seus pés, antes tapetes de grama imaculada, ia sendo marcada pelas pisadas firmes e pelos fluidos e entranhas que gotejavam de suas roupas e da arma. O quanto daquilo podia ser seu, sinceramente, não lhe importava ali. Enquanto não sentisse dor, não pretendia parar. Sorria, ao mesmo tempo que respirava fundo. Golpe a golpe. Ao longe, aguardavam-no no Palácio. E era tudo o que realmente valia a pena.

 
+Rodeur+, de *BoryChan no deviantART.

Ninguém podia dizer como aquele jovem guerreiro seguia, tão resoluto. Mas sabiam que não conseguiam atingi-lo, decerto. Sua espada parecia dançar à luz do sol enquanto aquelas gargalhadas traziam um tormento final às suas vítimas. Uma a uma abriam caminho, mas não por opção. Tombavam, como se formando-lhe uma trilha macabra sob os pés.

Cantarolava… o pequeno, quase insano, repetia todo tipo de frases tolas de canções, algumas horas até mesmo dançando ao seu ritmo, como em coreografias da tela da TV. As mesmas batalhas de sempre, mas os golpes leves. O Rei Troll dormia, ignorava o menino guerreiro enquanto esse limpava seu reino de mais aquelas bestas.

Era bufão, pq sempre fôra de sua natureza… mas jamais vira tudo tão claro quanto naquele momento. Um metamorfo, uma das crianças bestiais da natureza, espiando a investida daqueles seres com olhares argutos, felinos, antes de surpreendê-los com o próximo golpe. O sobretudo, tão antiquado e puído, lhe dava um ar de pícara soberba.

Divertia-se, talvez demais, com tudo… a respiração aos poucos retomando seu ritmo normal, mas o ar de empolgação incessante. Pisava cada degrau com ar de grandeza, mas deixava a ponta da espada desbastar-se, arrastando por sobre o granito, como se quisesse apenas fazer barulho.

Estava em casa e podia suspirar, bem fundo…

“Amor, a pia da cozinha quebrou de novo.”

… mas não poderia, ainda, descansar.

8 comentários:

Mirian Martin disse...

Deu para imaginar, como se diz: matar um leão por dia, e ainda dar conta de outro em casa. A melhor parte é ainda se divertir com tudo isso.

Muito legal!

beijocas

Mai disse...

Voltou sim!
Com toda força do Rei Troll.
Cotidianidades, meu caro.
Adorei o crono cross e me senti, a galope no lombo de um corcel.

Boas Vindas!
Carinho

Dan² disse...

Sensacional Addam!
muito bom o texto!

Troll disse...

MAMA:
Acho necessario entender que sem saber rir disso tudo, viver serah apenas um fardo, carissima.

MAI:
Eh otimo estar de volta e te-la uma vez mais pelos saloes do Palacio.

DAN:
Me deu saudades de Changeling.

Valéria disse...

Adorei! aliás tudo aqui é muito bom de ler, voltarei outras vezes.

BeijooO'

Nanda Nascimento disse...

Ei Troll,

Adoro esse lugar e seus escritos e é muito bom estar aqui novamente e poder viajar com seus textos.

Beijos e flores!!

Tassio Rocha disse...

retribuindo a visita :D
meu blog nao ta legal ainda comecei agora
mais o seu ta mt show.
As ideias q sao expostas aqui sao boas tanto q atacou minha curiosidade fazendo assim eu ler ate o fim kkkk :)



saudaçoes alvinegras..

Troll disse...

VALERIA:
Sinta-se sempre muito bem-vinda neste Palácio, caríssima, será uma honra tê-la.

NANDA:
Delicioso tê-la de volta por aqui, linda, fique à vontade.

TASSIO:
Ótimo atiçar sua curiosidade, cara, volte sempre e espero que goste de quase tudo o que ler. :-D