Bem-vindos à nova dimensão... seqüenciador de sonhos online.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Her y cysgodion

Eram muitos. O crepúsculo aproximava-se e, enfim, seria tempo de lidar com todos eles. A besta ressoava em sua respiração compassada, sentindo a ansiedade daquela espreita prestes a projetar-lhe as garras à mostra. Mas ainda não era hora. Faltava tão pouco.

O olhar felino divisava oito sombras, à luz poente. Três delas, enormes como árvores, caminhavam de fazer tremer o chão. As outras cinco, menos assustadoras apenas pelo tamanho, mas de aparência tão aterradora quanto, hora apenas observavam, hora farejavam o espaço ao redor. As mandíbulas negras escorrendo de um visco medonho. Os olhos, tantos deles, como se vidrados no horizonte.

- Oito ameaças. – Preocupado, o homem ao seu lado avisava, em tom de medo.

- Não… oito degraus. – A besta praticamente rugia, olhando a paisagem por sobre o ombro e percebendo os últimos raios de luz deslizando para longe, por sobre os prédios. – E tá na hora de subir.

Avançava silencioso, as lâminas agora totalmente à vista, por vezes arranhando o chão, quando abaixava-se para fora da vista de suas presas. Seu olhar aguçava-se enquanto o homem o seguia de longe. A fera apoiava firmemente as pernas e curvava as costas, a respiração tornando-se um leve chiado. E a cada bater acelerado, contava um a menos para a investida.

Jogava-se, uma vez mais e com a mesma certeza de todas as outras, em um turbilhão de vida.


Werecat, de ~Teotocchi no deviantART.

8 comentários:

Tyr Quentalë disse...

Sua nova forma, pois não mais és o Troll nesse momento, meu caro. Mas achei interessante e ao mesmo tempo intrigante esse seu conto, pois por um momento pude ver seus dois lados. O Lado bestial, que a tudo enfrenta e nada teme, mas também seu lado humano, que possui seus próprio receios e suas próprias preocupações.

Fabio Fernandes disse...

Pode até parecer uma interpretação meio doida... Mas vejo um medo subjugado e otimismo mesmo face a face com o perigo.

Agora só nos resta encarar esse desafio. Conte com a minha ajuda...

Abração.

Ps.: AAAAnos sem vir aqui.. foi mals ae.

Valéria Sorohan disse...

Conturbação, contradição... muito bem expressado o ânimo da personagem.

BeijooO*

Mandy disse...

Muito bem escrito o conto!
O suspense é o necessário para te cativar a continuar lendo.

xoxo

Luciano disse...

Bela narrativa. Legal a maneira como as imagens são sendo formadas.
Gostei.
Abraço de arte.

Leticia disse...

Ao contrário ddos comentários até agora nãi vi medo ou receio , e sim , um olhar esperançoso sobre a situação .

Degraus em vez de ameaças ... afinal quantos leões matamos por dia ?!

Caio Murdock disse...

Olá, venho fazer um convite, para conhecer Derin e Shard - Contos de uma Andarilha, um novo universo fantástico, criado, escrito e ilustrado por Anerol Sevla, com aventura, romance, suspense e mistério. Uma série em capítulos, recentemente publicada no blog LugarDistante, acesse:

http://lugar-distante.blogspot.com/search/label/Contos%20de%20uma%20Andarilha

Essa faz parte de um pacote de novidades recentes no LugarDistante: http://lugar-distante.blogspot.com/

Até a próxima!

Troll disse...

TYR:
Todos usamos muitas e tantas máscaras, o tempo todo, minha cara.

FABIO:
Talvez um medo necessário, ou não haveria o salto.

VALERIA:
E não são sensações que se complementam, cara leitora? *rs*

MANDY:
Feliz em manter a sua atenção, então.

LUCIANO:
Ler tem que ter essa coisa de "poder ver", sempre.

AMOR:
E tantos mais mataremos, não é mesmo, minha linda?