Bem-vindos à nova dimensão... seqüenciador de sonhos online.

domingo, 24 de agosto de 2008

Lalalalalalalala lie lie lie *da vitrola*

- Aquele não era o seu ônibus?

- Era. Mas eu também posso pegar esse que tá vindo.

- Então por quê você tá deixando ele passar?

- Pela primeira vez em anos, não devo explicações a ninguém. Não tenho pressa de chegar a lugar algum. E isso é bom. Xeu curtir o momento. É manhã de domingo. Passar o dia descansando dos cochilos em sofá, da noite.

--------------------

00 Disturbed - Indestructible

De onde vem esse som? Por quê parece que um trem está passando pelos meus ouvidos? Mais um daqueles seres se levanta a me confrontar e é mais um que volta às sombras sob estas garras. O mundo gira, tudo bate e se quebra ao meu redor, mas nem sinto. Mal sinto o golpe, mas sei que atravessei mais uma parede de pedra e sinto as fundações querendo ruir, ao meu redor. A cabeça no lugar, mas o chão insiste em ficar se mexendo. Do torpor dessa fúria, não vejo para onde os golpes vão, só sei que eles me mantêm vivo. Sinto o sangue pulsar dentro de mim, a pele fechada a qualquer ferida, o corpo todo como se de pedra.

E o som nos meus ouvidos é o berro de cada nova besta, em agonia. O rasgar de sua carne de sombras e o jorrar de seu sangue em névoa preenchendo-me a visão.

--------------------

PS: sim, aguardem trilhas desse CD do Disturbed, nos tambores...

7 comentários:

Tyr Quentalë disse...

Sabes como me alegra ver-te assim. Tão em paz e tão sereno. Tão nessa liberdade de olhar para o mundo e curtir sem dever explicações a ninguém.
Sabes que são nesses momentos em que estamos mais libertos, é que trens, cavalos som de batalhas imensas parecem ficar mais vívidas em nossos ouvidos e nossas almas.
Ah! quão bom, é poder batalhar, sendo guiados por nossos movimentos e instintos e o frisso de saber que inimigo algum pode nos vencer.
Sejas tu em corpo feito em pedra... Seja outros com suas próprias armaduras...
Seja eu.. com minhas asas feridas, sorriso aos lábios e a vontade de continuar minhas batalhas como se nada pudesse me parar.
Somos todos guerreiros, meu caríssimo Lorde e Rei... e um dia nos encontraremos no Valhala e festejaremos, até o próximo som de batalha

Poisongirl disse...

Ah doce liberdade de se ser o que quiser!
Os tambores daqui tocam como nunca...

iara disse...

meu poema preferido, que me fala mais a alma é sobre um cavalo 9sagitário ama os cavalos!) correndo livre ...
é para mim a imagem da liberdade.
ser livre é algo muito caro para mim, mas é exatamente quando nos sentimos mais livres que sorgem mais coisas a nos testar. mas sei que meu amigo é forte, e esses momentos nos tornam mesmo mais livres e fortes.

ps: toda vez que abro seu blog e meu filhos passam pela sala e ta nessa trilha sonora eles param para ouvir! rs

bjs

Troll disse...

TYR:
Uma liberdade de fundo quase eufórico, deliciosa nesse envolvimento e na entrega que me permite.

POISON:
Os tambores tocam, como continuarão a tocar, caríssima. Nada mais pode silenciá-los.

IARA:
A trilha sonora do palácio é escolhida a dedo, sempre bom saber que tenho apreciadores, a ela. ;)

Nanda Nascimento disse...

...sentir a vida a passos lentos, apreciar os fatos, sem cobranças e livres é ultrapassar o limites impostos por nós mesmos.

Beijos e flores!!

Lyn Monroe disse...

Eu demoro mas eu venho! rs
bom nao ter q dar satisfacao a ninguem'né?
curta mesmo, e nem precisa de muito !
ah, talvez ainda hje o desfecho de Tais! rs vamos ver! rs

beijos!

Troll disse...

NANDA:
Limites que fomos ensinados a ter e a respeitar, sem que nos fosse ensinado um bom motivo.

LYN:
Sim, muito bom poder simplesmente ser.