Bem-vindos à nova dimensão... seqüenciador de sonhos online.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Da servidão... *sob o olhar de Lorde Addam*

O ato da submissão consentida é a pedra fundamental sobre a qual se apóia toda a relação BDSM. Acho tolice postular que seja apenas a postura da parte Dominadora - ou Top, que determine o surgimento de um contrato D/s.. O que em nada desautoriza a competência dos Doms e Dommes, quando capazes de identificar os desejos e potenciais de um indivíduo e propor o adestramento não enquanto tal, mas inicialmente como fetiche a ser explorado e posteriormente vivido.

Entretanto, à manutenção dos limites de Sanidade, Segurança e Consensualidade, creio haver a inevitabilidade de um diálogo, direto ou mesclado à ritualística das cenas, em que a parte submissa - ou bottom, admite abertamente a sua condição e dessa forma reforça o que antes era mera fantasia, aceitando-a como o compromisso de uma série de sessões - ou cenas, de imersão em tais práticas.

Esse gesto de aceitação traz maior liberdade à exploração dos prazeres e limites das partes envolvidas, mas também lhes entrega responsabilidades quase que em igual proporção, um com o outro e de ambos com o símbolo que se torna a coleira, ao pescoço do bottom. Muitos, especialmente quem vê de fora, acreditam que todo o comprometimento cabe tão somente a quem se submete, quando creio que este não se firma a longo prazo, se não for como um espelho do esforço da parte Top em se fazer não apenas presente, mas vigilante e cuidadosa.

Tudo isso não me permite ver qualquer meio do Dominador ter a chance de assumir seu papel, sem que o olhar submisso que colhe seja o de aceitação plena e de confiança. Assim, suponho, faz-se do ato de submissão e entrega o ponto de partida para todo o resto. Um salto de fé rumo à promessa de prazeres renovados e sem iguais. Mas também rumo ao risco de descoberta do inferno, nas mãos de um Top inseguro, imaturo ou mal-resolvido.

Toki 
---------------------
Outra noite, ouvi um colega, bottom, comentar o quão curioso é quando percebe que às vezes começa a falar de relacionamentos e sexo como quem comenta economia ou política. Mais ou menos a sensação q estou tendo agora. *rs* Adoro isso.

Mais sobre BDSM, no Palácio: [link]

9 comentários:

Lilith disse...

A sim! A submissão consentida com certeza é a maior dádiva que um bottom pode oferecer ao seu Top.
O ato da entrega incondicional que um sub pode fazer ao seu Top, demonstra a total confiança que sente em seu Senhor. A vontade de crescer e ser melhor, de oferecer seu corpo, seus gemidos, seu ar e principalmente sua vida nas mãos de outra pessoa a quem nomeia carinhosamente de Senhor baseia-se unica e exclusivamente em treino... treino, paciência e devoção. Belas palavras Lorde.

Nanda Nascimento disse...

A dúvida é algo que não pode existir, e a atitude é legal quando ambos estão de acordo, e sabem o que estão fazendo, seja o Top ou bottom.

Beijos e flores!!

iara disse...

tanto o bem dar ou o bem receber, ou ser submisso ou Dominador, numa relação D/s ou em qualquer relação depende de maturidade e e auto-conhecimento ...
adorei o post amigo.
bjs

Tyr Quentalë disse...

Eis que chego aqui, depois de um longo vôo e de batalhas intensas que exigiram minha presença de corpo e espírito, mas quão prazeiroso foi retornar ao palácio em meus passos leve mas tão presentes e notar que o Lorde mostra um pouco mais de um mundo que vejo com olhos tão diferenciados.
Quão bela pode ser a entrega, onde o olhar mostra completa confiança às mãos de um Top e mais belo torna-se o momento em que o bottom percebe ao olhar daquele a quem ele seria capaz de entregar a própria vida há mais do que uma simples dominação ou busca de satisfação própria.
Amo o momento onde a preocupação e o carinho, tornam-se tão intensos e fortes, transformando o Top em um verdadeiro Guardião.
Aqui faço uma breve reverência por tão belas e importantes palavras de um Dom que sabe e age dentro do SSC e que é capaz de fazer florescer um lado forte e de pura devoção e admiração.

Amar Yasmine do AQUILIS disse...

Bom, nada a acrescentar, já disseram tudo. Adorei o post, as imagens, teus textos. Enfim, o blog é ótimo, vou linka-lo no meu.

Foi um grande prazer reencontrá-lo Senhor.
Doces besos! *;-)

iara disse...

amei a trilha sonora. voltei só pra ouvir.
essa walk away é ..uau!!!!!!!!!
como é o nome da moça? a cantora...
bj

Troll disse...

LILITH:
Pois é da submissão que nasce a capacidade de se tornar ainda mais, dentro desse desejo e dos prazeres de cada um. É assim que crescem, Top e bottom, a cada novo gesto e nova ordem.

NANDA:
Pois é apenas do entendimento que pode surgir a consensualidade, não é mesmo? *rs*

IARA:
Maturidade é essencial em todo tipo de relacionamento, nisso tens toda a razão, caríssima. Seja pessoal, profissional ou tão meramente sexual/fetichista. Ah, a música Walk Away é de ninguém menos que a belíssima Christina Aguilera.

TYR:
Pois é essa entrega que se faz em troca, em que ambos permitem-se o esforço de cuidar um do outro, de formas bem diferentes. Agradeço imensamente os elogios e digo-te q sou apenas um fruto do q vi e vivi.

AMAR:
Caríssima, pois saiba q é ótimo recebê-la de volta à ativa e sempre um prazer ler os seus escritos e comentários.

Lyn Monroe disse...

Qdo escreve sobre o q gosta o texto flui, né?
q tal aproveitar e escrever uma certa historia q nao sai do 4o capitulo??Rs
beijo p vc!

Troll disse...

LYN:
*rs* OK, OK... já estou mesmo pensando em reescrever o quarto desde o zero. Aliás, estou mudando quase todos os capítulos, tirando os que já estão lá publicados.