Bem-vindos à nova dimensão... seqüenciador de sonhos online.

sábado, 13 de setembro de 2008

Em nome de Quem...? *sussurros às sombras*

Blasfemo... de tudo o que já me chamaram e costumam me chamar, é o que mais gosto. Normalmente, eu me lixo pra tudo o que dizem em tom de ofensa. Mas isso não me ofende. Pelo contrário. Gosto de pensar que há blasfêmia até em acender essa merda de cigarro na minha mão. Se meu corpo é meu templo, então acho que ando blasfemando até contra mim.

Dizem que é um pecado eterno, sem qualquer chance de perdão, falar Dele e da Sua igreja com todo o desdém que historicamente merecem. Mas caminho pela belíssima Criação, enquanto se corrói e apodrece, e cada vez mais me convenço que o Velho fez cagada. Mas mais ainda, que isso só foi ruim pra Ele. O Livro me condena à morte, por dizer isso assim. Estou esperando que a Palavra venha me tomar a vida, a qualquer momento. O peito tá aqui, aberto... cheio da mesma fumaça que eu trago pra ver se a satisfação é realmente tão condenável.

Mas às vezes vejo as sombras. Vejo a noite e tudo o que ela envolve de tão canhestro ou tão belo. Todos os sutis prazeres da carne e da mente, escondidos nos cantos do mundo. Se a Criação é Dele, realmente, para quê crer que os sentidos humanos levam à perdição? Há muito pouco de tão belo quanto a sinfonia do tato, a imersão em sensações. ESSA deveria ser considerada a Sua maior obra, Pai. Tudo o que faz da vida algo pulsante... que arranca uma gota a mais que seja, do mundo.

Eu não posso concordar com a igreja dos apóstolos do Filho, que faz questão de condenar tudo o que é belo e relegar tais coisas ao ordinário e vulgar. O ocidentalismo que faz questão de arrancar das coisas todo o seu valor, rotulando o que é ou não é. O que pode ou não pode.

Que se fôda, sinceramente... nada como um beijo roubado, no escuro, contra a grade de um prédio qualquer... momentos em que só roupas, mesmo, para conter certos ímpetos da carne. O exibicionismo contra as leis de um Estado... cristão ou não.

6 comentários:

Lyn Monroe disse...

Primeiro foram ninjas, agora estão blasfemando contra vc? o q vc anda aprontando hein??rs
beijos!

Tyr Quentalë disse...

Huuumm. quão prazeiroso é sentir esta fúria, esta indgnação, onde as blasfêmias vêm por todos os lados.. Sejam voltados contra a própria pessoa, sejam voltados contra o Pai.
Nada mais prazeiroso que deixar-se levar pelas sensações, pelos intinstos que tornam tudo belo, intenso, selvagem, pois isto tudo faz parte de nosso ser. Podam-nos...
Podam-nos quando seguimos a veia da criação primal. Aquela que antes não continha regras... que apenas era por ser e por que assim devia ser...
Jogam-no regras, por temerem até onde podemos chegar nesses instintos, nesses desejos lascivos e em desejos proibidos.
Acusam-nos.. de deturpar.. de estragar nosso próprio simulacro, quando cedemos à pequenos vícios como um simples cigarro...
Mas acima de tudo esquecem...
Esquecem que quem iniciou toda a cagada, foi o Pai. Afinal, não fomos criados à imagem e semelhança dele?
Ainda bem que tivemos depois o Livre-arbítrio, pois assim, ganhamos a chance de moldarmos a nós mesmos.. fugindo do estigma ao qual seríamos condenados e nos dando a chance de blasfemar contra todos e contra Ele.

Flavinha disse...

É o eterno conflito humano ;)

Beijos!

Amar Yasmine do AQUILIS disse...

Senhor!

Li, reli, e li de novo. Te digo que fiquei com raiva porque não fui eu que escrevi este texto... pq é exatamente o que sinto e penso.
Pra lá de ótimo. Adorei!

Doces besos

Arre... adorei mesmo este texto.

Troll disse...

LYN:
Entre ninjas e a Inquisição, eu sobrevivo. Sempre.

TYR:
E dessa forma, somos livres, como sempre foi nosso direito sê-lo, não é mesmo?

FLAVINHA:
O homem que busca na fé explicações q por vezes soam tão estúpidas.

AMAR:
Caríssima, é sempre um imenso prazer vê-la caminhar pelo Palácio, e muito mais que lhe agradem meus escritos. É algo que corre em minhas veias, falar disso.

iara disse...

lindo texto!
Nele eu creio, nas igrejas, em nenhuma delas não. não creio em institucionalizar sentimentos e crenças em dogmas fechados.
Mas ele nos criou a imagem e semelanhça dele par crescermos, nos deturpamos tudo, ele assiste esperando que suas crianças cresçam...

bjs