Bem-vindos à nova dimensão... seqüenciador de sonhos online.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Saldo dos 27 *após a festa do chá*

Tudo acabado, as mesas ainda bagunçadas e espalhadas pra todo canto, em meio às cadeiras. Móveis de piscina, como é típico. Uma praça de guerra, onde por toda aquela tarde e noite se desferiram tantas palavras e risadas. A artilharia disparava desde o começo, indo da leve munição de R.E.M. e Alanis Morisette até os bombardeios de System of a Down, KoRn e The Offspring. O campo de batalha estava cheio, desfilavam rostos suando e por tantas vezes eu apenas me punha a observar.

Era fato, faltava alguém ali e em tantos momentos isso se fazia notar em olhares e perguntas. Todos em algum momento haveriam levantado o mesmo nome, aquela falta, que para alguns vinha com certa surpresa, para outros, com aquele jeito de tristeza. Mas todos cedendo às boas previsões para estarem ali, realmente. Em meio a tudo, novas caras, velhos conhecidos e os unidos pelo sangue. Por entre aquelas estranhas trincheiras de plástico branco, provisões para todos, dando e sobrando.

Comes e bebes, mais conversas, novos chegados e tantas oferendas. Tudo se construindo até o momento prometido, de um bolo. Mas aquele não era qualquer bolo. Ou talvez o fosse, mas certamente que seu complemento não. Lembrou-se o soldado da ida à doceira, quando descobriu que havia algo mais no que estaria levando: "Com essa calda aqui você não precisa se preocupar. Ela acha os caminhos certos." Então era hora de deixar as peripécias do chocolate mágico surgirem, para todos em volta daquela mesa cantarem em côro.

Fatias cortadas, calda encontrando seus caminhos em cada um dos convidados (da boca pro esôfago, dele pro estômago... enfim), restariam tão somente aquelas palavras, que pelo álcool de alguns (algo q tbm encontra seu caminho bem rapidinho) rapidamente se transformariam em risadas. Não era um lugar de agressividades, excetuando-se a eventual alfinetada a muitos imperceptível e a todos totalmente dispensável.

Só importavam risos e sorrisos. A comemoração. Outra surpresa viera na forma de jujubas de ursinho. E embalados pela artilharia pesada de começo de madrugada, todos despediam-se sob uma lua tão clara e redonda. O que ficou pra trás parecia um campo de batalha... os frutos de uma festa, comemoração tão agradável.

E só então, já com 27 anos, surgia aquele ar da dúvida tão palpável. A mesma de cada aniversário. Olhar nos olhos da lagarta e responder à pergunta: “Quem é você?” Realmente, naquele momento como em muitos outros, me restaria o óbvio do eu ser eu. Apelando à literatura para dizer que é difícil saber, realmente. Afinal, ter tantos tamanhos diferentes é muito confuso.

E ignorando a lagarta, de mãos dadas, saímos os três: aniversariante, namorada e calda de chocolate. Afinal, não é que ela sempre acha mesmo os caminhos certos?


The Caterpillar, de *Saganu no deviantART.

 

PS: admito, isso é um post de aniversário atrasado. *rs*

12 comentários:

iara disse...

feliz calda de chocolate!
bj

Anônimo disse...

Feliz aniversário, hoje e sempre, caro amigo! Bjos
Elza, a Leoa

Thays Coutinho disse...

Hahaha essa calda de chocolate...

Meu caro, queria ter aproveitado mais o seu dia com você. Mas me estado recente anda me segurando pra ficar em casa e dormir muitas horas por dia. hahaha Espero eu que em alguns meses, passe.

Enfim

FELIZ ANIVERSÁRIO!

Tyr Quentalë disse...

Feliz aniversário e depois quero a receita do bolo com a tal calda. rsrsrsrs Afinal.. Chocolate é uma tentação que me persegue. Adorei a descrição. Pudera eu ter participado da festa.

Fabio Fernandes disse...

Feliz aniversário...

"..eventual alfinetada a muitos imperceptível e a todos totalmente dispensável."

Muito boa.

Abraços.

Troll disse...

IARA:
Sim, ela foi muito feliz, certamente. ;-)

ELZA:
Caríssima, sua presença por aqui será sempre apreciada. Muito obrigado.

THAYS:
Caríssima, jamais precisaria pedir desculpas pelos teus motivos para sair cedo. Fiquei muito feliz por vc, sabe bem disso.

TYR:
Eu nem tenho a receita do tal bolo, só sei que aquela calda era tudibão.

FABIO:
E que reunião de família não tem dessas, né? *rs* Abraço, cara, e obrigado.

A Senhora disse...

Caldatudibão? :)

Nino! Que a calda da felicidade lhe encharque os dias, que a da razão lhe firme os passos, que a da ética lhe dê a postura frente a vida e que este amor embriagante espalhe-se por onde andar.

Hummm... Parece que ficou delicioso comer você! kkkk

ALGUÉM disse...

LOKOOOOO
OIIIII!!!
TEM POST NOVO!
FAZ VISITINHA...
BJÃO!

Nanda Nascimento disse...

Muitas felicidades Troll
e muitas outras caldas de chocolate saboreadas ao som de Alanis Morisette.

Parabéns!

Beijos e flores!

Troll disse...

MAMA:
Nossa, mas com tanta calda assim vai faltar sorvete, bolo ou o q seja. Se bem q estou mais pra um Petit Gateau. Q de Petit não tem nada. Hahahahahaha! Bjos, mamys virtual, obrigado.

ALGUÉM:
Obrigado pelo aviso e pela lembrança, caríssima.

NANDA:
No bolo do trabalho teve calda de frutas vermelhas... mas não sobrou, infelizmente. ;-)

Poisongirl disse...

Eu sempre me lambuzo...mas dessa eu te lambuzei!
Oh calda boa...

Felicidade toda a vida por ainda ser vivida anjo , e bem do meu ladinho ,viu?!
Com muita calda de chocolate kkk

Troll disse...

POISON:
Sempre ao seu lado, minha amada menina veneno. Amo-te imensamente, sabes disso. E sim, muita calda de chocolate. Sempre.