Bem-vindos à nova dimensão... seqüenciador de sonhos online.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Xeque-Mate. *do jardim dos amantes*

- Nossa... OK, isso foi estranho.
- Por ser ruim ou por ser bom?
- Por ter sido bom demais.

Ela o olhava com todo aquele ar lascivo. Um brilho cheio de más idéias no fundo daqueles azuis tão fortes, por trás de algumas mechas vermelhas mais curtas que as demais. O piercing da língua reluzindo quando, provocante, a mesma deslizava pelos lábios, como se buscasse um pouco mais do que acabara de provar. O rapaz claramente sentia o incômodo de estar novamente contido às calças jeans. A jaqueta, um pouco mais clara, protegendo os braços do castigo daquele sol forte.

- E por quê é estranho que seja bom?
- Ah... a gente tá aqui, vai. - O guri coçava a cabeça, um tanto sem jeito, virando-a e deixando os longos cabelos loiros penderem, de lado.

Ela balançava um pouco as pernas, ao sentar-se por cima de uma lápide negra, deslizando os dedos pelo mármore escuro e sentindo as reentrâncias do tempo e do entalhamento. Ele mantinha-se com as pernas cruzadas, sentado por sobre a mureta daquele pequeno mausoléu de aspecto um tanto gótico. A voz dela carregava toda a malícia de sempre.

- Então vamos lá... venerar os mortos com verdadeiros monumentos e palacetes não é estranho? Fazer as pessoas se forçarem a vir chorar o passado na frente de um pirulito de pedra, todo ano, é algo muito sensato, certo?
- E o quê isso tem a ver?
- Ué, não está óbvio, menino? É como eu prefiro celebrar os mortos. Trazendo um pouco de vida pra cá. Ou você preferia ficar do meu ladinho, mão na mão, chorando as pitangas pra cada túmulo desses?
- ... acho que eu prefiro não celebrar os mortos.

Ela ria.

- Xeque. - Olhava-o bem no fundo dos olhos. - Mas então... prefere na sua casa ou na minha?
- Deixa de ser boba... eu moro com meus pais e você com a sua avó.
- Então aqui é um bom lugar como qualquer outro, não?
- ... mate.

9 comentários:

A Senhora disse...

Como diria meu ginecologista: tem certas mulheres que tem uma lógica que são capazes de fazer a gente ir para qualquer lado.
Xeque-mate! :)

beijinhos, Nino.

PS: E a foto, realmente, não deixa mentir... :)))

D'angelo disse...

Lugar legal. Xeque-mate também meu caro!!!
: )

Tyr Quentalë disse...

Que xeque-mate delicioso esse.
rs.
Huum.. a foto apenas ajuda a fazer a imaginação ir longe.
Amei o conto, Troll.

Mai disse...

olha, se fosse no tatame seria um ipon?
E no ring? Um nocaute?
No volei um ace?
Putz...
Feline?
Spielberg?
ãnn...
jogou conversa fora com o tal piercing reluzente 'a la serpente' querendo mais e em seguida outra 'serpente' contida...
vou lembrar uma frase tua lá no 'inspirar'...
Se eu te disser que foi 'perfeito' te envaideceria?

Vou terminar com a tua confissão só prá provocar, Rei Troll...
'...o incômodo de estar novamente contido às calças jeans...'
...
mto bom.
xeque mate
'um pé na cova e outro na casca de banana'.
bjs.

Troll disse...

MAMYS:
Pois é, por vezes a mente feminina realmente soube vir me assombrar. A foto não deixa mentir exatamente pq foi tirada no lugar onde a cena aconteceu, embora apenas anos depois. ;-)

D'ANGELO:
O lugar é ótimo, por vezes eu já fui passear por lá para relembrar, sabia? E o xeque-mate dispensa comentários. Ah, minha inocência aos 14, que esvaía-se...

TYR:
A foto ajuda a achar o caminho até essa cena, caríssima. Sempre.

MAI:
Caríssima, realmente eu precisava de uma opinião feminina bem abalizada, sobre essa cena. Não posso comentar demais, ou me entregarei ainda mais do que suas próprias palavras já vieram me entregar, viu? *rs* Não deste um cheque mate, mas gritaste-me "touché", em seus comentários.

Flávia disse...

Celebrar os mortos me dá arrepios, rs ;)

Um beijo!

Lyn Monroe disse...

Assim como p Flavia, celebrar os mortos tbem me da arrepios! rs
mas esse foi um xeque mate matador mesmo, nao ha como discordar!
mil desculpas o sumico, mas eu to voltando! rs
beijo gde!

Troll disse...

FLAVIA:
Pois é, tbm nunca foi muito a minha praia, não. :D

LYN:
Bem-vinda de volta, caríssima. Sempre e quantas vezes mais for necessário.

Fabio Fernandes disse...

Na minha opinião a vontade faz o lugar. Ou seja, dá vontade em qualquer lugar... hehehe